MOSTRANDO

SÓ PARA LEMBRAR, QUE ALGUMAS VEZES ESTOU POSTANDO NOS OUTROS ESPAÇOS DO SÍTIO, DAQUI. OU ESTOU ISOLADA EM ALGUM SÍTIO DE CÁ, FORA DO MUNDO BLOGAL.


Tenho postado AQUI ou AQUI

quinta-feira, 17 de março de 2011

arruinando-me...ou querendo dar nomes aos bois


Estou sentindo muita dor. Há tres dias. Incapacitante se bem que recorrente, felizmente. Uma dor nova que nunca sentira, não conhecia. E por isso um pouco mais angustiante. E por não conhecê-la, sinto medo. Dor no corpo, na matéria, e que ao que sei, segue-se sempre às dos corpos mais sutis quando não identificadas e tratadas a tempo. E que se não for de novo identificada e corretamente tratada acaba com as possibilidades de experimentar ainda nesta existencia. Mais uma vez procuro a causa, numa perspectiva arqueológica escavando nas camadas do meu existir os desencadeantes, para que consiga removê-los. Não adianta extirpar seja o que for do corpo material, ou remexer no psíquico, emocional, nem nos sutis, no corpo astral. Tenho que chegar à alma que adoece.
Por que estou doente? Numa semiótica cientifica, pela sintomatologia história e exame físico restrito, investigaria ângulo esplênico do colo, cauda de pâncreas. Pelas abordagens tradicionais, sei de causas tais como erros alimentares persistentes, excesso de preocupação e ocupação, raiva, muita raiva, rancor, desejos descompensadamente emocionais  de respeito, reconhecimento, consideração, de uma casa e lar com familia e manter-me viajando para estar quase simultâneaente e varios lugares. Mas o principal é a raiva.
Então faço uma lista mental dos quens, aquelas pessoas objetos de minha ira, enquanto que agentes da mesma, sabendo que irar-me é vingar-me,  em mim, dos erros dos outros. Queria poder gritar para o mundo como me sinto porque de quem, de tantos, mas nem posso. A raiva que estou sentindo acumulada, desesperada,  por anos de sublimação de ressentimentos em nome de um bem estar geral, da não ofensa, da educação, da evolução do espírito, mesmo que tantas vezes tenha gritado e soltado pequenos fragmentos, o excesso que teimava em cair de uma taça repleta. Não foi suficiente embora produzisse grandes alivios de outras dores que senti. Tenho uma lista. menor que uma folha de papel. Mas densa, pesada e presa a mim. Vou queimar no fisico, a folha de papel. Quisera gritar ao mundo, dar nomes humilhar bater e depois esquecer. Na medida justa. Olho por olho, dente por dente. Mas nem isso posso, me chamariam de injusta, de covarde. E seria, pois a compreensão do outro não é a minha. E a minha, não está suficiente e necessária para mim. Então adoeço?

4 comentários:

Rubinho Osório disse...

Berre a plenos pulmões. Desabafe tudo aos céus. Contra os céus. Não reprima a dor. Fodam-se os que se escandalizarem com teu escândalo. Grite ao mundo. E depois esqueça. Perdoe. Deixe-se levar pela saudável sensação de desapego. Flutue acima da raiva, do "olho por olho", da sublimação. Seja você. E viva! É essencial.

Pimenta disse...

Querida.(eu me autorizei a querer-te bem)
Acho que sim.Não ajuda, eu sei, mas reconheço o padrão de ficar doente por sentimentos.
Escreva mesmo, e queime.Queime junto uma parcela da raiva,que mesmo suprimida pela força,sempre estará lá, principalmente a gerada pela injustiça da vida, aquela que não tem nome a se dar.
Para mim, funcionou muito a meditação.
Será um inferno a princípio.É mais ou menos como desmontar uma coluna de pedras, feitas das experiências vividas, e recoloca-las nas posições mais adequadas para o bom funcionamento da existência.
Depois, as pedras se alinham em uma base sólida como a nossa espinha, deixam de atrapalhar, para fundamentar.
Um dia, por exemplo, eu caí,e machuquei muito minha mão.Morava sozinha com tres filhos no meio do mato, um deles bebê ainda.Fui tomada pelo desespero quando visualizei minha mão engessada,como que eu ia atender os pequenos?O desespero me tomou, e depois de alguns minutos,apesar de roxa, inchada e aparentemente quebrada, minha mão parou de doer.toda a dor desapareceu da minha mão, e reapareceu na minha perna.Passei duas semanas com a perna doendo, até a mão desinchar e melhorar.
Para o bem e para o mal, nossa mente influencia nosso corpo sim.
bjos

São disse...

Não, não adoeça!

Vá até a um sítio isolado e grite , grite a plenos pulmões.
E, se necessário, chore.

Ficará mais aliviada, de certeza.

Beijo-a, minha Amiga.

BLOG DO PROFEX disse...

Não dê nome aos bois. Eles merecem ficar anônimos. Não devem ser promovidos. Mas faça um bonequinho de cada um e os alfinete, várias vezes, lentamente com um sorriso nos lábios, depois bote fogo e veja-os se consumirem... junto com a dor. Depois grite: Cai fora, Diadora!
Bom domingo!

Seguidores