MOSTRANDO

SÓ PARA LEMBRAR, QUE ALGUMAS VEZES ESTOU POSTANDO NOS OUTROS ESPAÇOS DO SÍTIO, DAQUI. OU ESTOU ISOLADA EM ALGUM SÍTIO DE CÁ, FORA DO MUNDO BLOGAL.


Tenho postado AQUI ou AQUI

sábado, 7 de fevereiro de 2015

Um raio cai duas vezes no mesmo lugar, da mesma forma

Certa vez comprei uma terra. Bonita. Linda mesmo, uma encosta escarpada e lisa onde se plantavam batatas e bananas. E plantei árvores e flores, frutas e plantas comestiveis tradicionais e não convencionais. E antevia uma vida tranquila. Mas as árvores que plantei, junto com as que deixei crescer porque nasciam e  eu cuidava, despertavam,  em outros, maus sentimentos.
Comprei porque quando meu pai teve sua vida arrancada num estupido acidente de carro quando ele nem na estrada estava, me deixou um pequeno legado e converti no meu eden. Era meu sonho. Vendi o sonho dele, comprei o meu.
Um dia, por estranhos misterios um movimento politico converte aquela região em parque nacional, dá titulos de proprietarios aos que continuavam plantando nas encostas, limpando terra pelo fogo e a mim, desapropriação, pois não produtora, tinha árvores e as árvores e os buraquinhos onde estão plantadas passam a ser  bens do parque. Luto pelo direito a uma pequena gleba do meu sonho, que me permitam ter um pouco daquilo que comprei, investi. Adianta, pequeno fragmento do espelho partido ?
Certa vez, já sem sonhos, apenas máquina sísifica, resistindo, buscando entender aquelas coisas basicas, como criança, me perguntando tantos por ques, um dos maravilhosos filhos que tenho me mostra  a casa que comprara, simples," popular" em área  "popular", limites com mata, fim de rua, e me tranquiliza e me tranquilizo, quando for necessário parar de pagar aluguel, terei onde morar, com ele, tenho um quarto inteirinho em uma casa.
E o segundo raio :  descubro esse mes, por acaso, na internet , um projeto de criação de um parque - reserva que engloba a casa onde vou viver na velhice. A linha limite é o muro da casa, a casa está dentro. Ela e seu terreno proprio.
Qual é a mensagem do fato, da coincidência ? Lutar ? Desistir ?  Cansada da luta em uma das frentes, não fui à ultima reunião no mes passado, e terei outra  da nova frente, amanhã.
Ou será que é para morar em apartamento ou clinica ?
(foto: de 2012 em uma das janelas inexistentes da casa não construida do sonho arrancado)

Um comentário:

rubens osorio disse...

Putz! Nem sei o que dizer... a não ser que fiquei feliz quando o Blogger me avisou que vc havia postado um novo texto... fazia tempo, né?
Mantenha a esperança - mesmo que "frágil como vela que qualquer um pode apagar" (P. Brabo) - pois ela leva a coisas melhores.
E torço para que tudo se resolva a contento.
Abraços

Seguidores