MOSTRANDO

SÓ PARA LEMBRAR, QUE ALGUMAS VEZES ESTOU POSTANDO NOS OUTROS ESPAÇOS DO SÍTIO, DAQUI. OU ESTOU ISOLADA EM ALGUM SÍTIO DE CÁ, FORA DO MUNDO BLOGAL.


Tenho postado AQUI ou AQUI

terça-feira, 2 de setembro de 2008

02/09/08


Faço tres meses de blog, de orkut, de internet e de uso de um desktop. Alem de um dialeto específico. Parece muito mais tempo, pelo tanto que aprendi e quanto avancei. E perdas, até.
Fazem tambem tres meses que venho promovendo intensas mudanças no meu cotidiano. Mas como sempre fui intensa, sempre fiz mudanças, na verdade nem posso dizer que estou promovendo nada. Permaneço vivendo e aprendendo. Só acrescento. Porque sou apegada...Dificil abrir mão de qualquer coisa que passou por minha mão (ou qualquer de meus outros órgãos dos sentidos). Fácil entender, eu sendo grande quero tudo. Falta de modéstia? Seria falsa modestia, pois sou e estou só porque não acompanho quem não esteja à minha altura. Porque aquela é a pior solidão. Eu sei. Impaciente, ou o outro, alter, deve ser mais rápido, em um ritmo semelhante ao meu. Que queiram aprender o que sei e tendo para me ensinar o que não sei. Defendo o entendimento das diferenças, mas preciso encontrar iguais. Em intenção. Minha tribo, amigos, irmãos, onde foram parar ?
A foto acima é da volta. Ao local central, de onde parto sempre. Deixando o lugar onde vou frequentemente , trezentos quilometros entre um e outro. Os Ipês, na ida, eram deslumbrantes. Mas a pressa de chegar não me permitiu parar para fazer fotografias. As belas imagens ficaram, mais uma vez, apenas da retina para a memória. E aí permanecem. Ao retomar o caminho de casa, desejando ficar nos dois lugares ao mesmo tempo, quase que, como em um momento de indecisão, quando param a mente e a vontade por instantes, estacionei e fiz duas ou tres imagens fotográficas, antes de apressar-me, pois não gosto de estradas a noite. Eu estava no limite previsto para anoitecer apenas na terceira etapa de estradas. Não vejo as paisagens noturnas, se não houver luar. Só a faixa cinzenta da estrada iluminada pelos faróis. Sombras que passam em vários sentidos e direções. É muito incerta, a noite. E com poucas cores sou assaltada por uma tristeza inexplicável. Sou da luz, sou solar.

3 comentários:

ROSÁLIA LERNER disse...

Sou solar também.
Que lindo se definir assim.
Um abraço
Rosália

Oliver Pickwick disse...

Ótima crônica, Sra. Urtigão! Recheada de aforismos.
Na próxima, se possível, fotografe os ipês. São espécies em extinção, patrocinada pela ganância.
Parabéns pelo seu aprendizado relâmpago.
Desejo-lhe uma semana iluminada. Com a luz do sol, é claro!
Um beijo!

P.S.: Ninguém entendeu o sentido exato do meu post "Saudades da URSS", como você.

Dona Sra. Urtigão disse...

Rosalia, Oliver.
Que ótimo ter visitantes como voces, que sinto como amigos.
Abraços.

Seguidores