MOSTRANDO

SÓ PARA LEMBRAR, QUE ALGUMAS VEZES ESTOU POSTANDO NOS OUTROS ESPAÇOS DO SÍTIO, DAQUI. OU ESTOU ISOLADA EM ALGUM SÍTIO DE CÁ, FORA DO MUNDO BLOGAL.


Tenho postado AQUI ou AQUI

segunda-feira, 1 de setembro de 2008

Dualismo?

Vai ou vem. Sobe ou desce.Yin ou Yang. Habituamo-nos a ver a vida assim.

Bem ou mal. Algumas vezes proposto um caminho do meio, uma justa medida(?), ou
um meio termo, o que transforma o binário em terciário, sòmente.

As variações entre os extremos começando a ser aceitas, recebem o nome de diferenças. Não mais o meio e dois extremos, mas todas as possibilidades entre estes tres pontos. Desviantes ?

E então luta-se por "inclusão", como se incluidos todos já não estivessem ou, estiveram, antes de ter sido criada a exclusão pela proposta intelectual e filosófica dos tres pontos.
Permitindo-se um retorno ao que deve ter sido o original de nossa espécie, criar um todo. Não mais uma linha de infinito para infinito mas o infinito pròpriamente dito, como um movimento de uma faixa de Moebus. Ou como a existencia em si, num movimento caótico e portanto imprevisto, inclassificável, ilimitado. Entes viventes apenas experimentando o ser e não tentando ser conceito. Ou coisa, o que pode ser bem diferente de ser coisificado por um conceito. Pior ? Melhor? Voltamos sempre às classificações definidas pela gestão da razão sobre nossas vidas, gestão esta que valorizamos como unica possibilidade, sem perceber que assim atuando, estabelecemos uma só possibilidade de conhecimento, o que pode ser sentido como falta pois o um diminui o muito, porem nunca sendo o nada, que não deixa de ser tambem infinito.

2 comentários:

oimpressionista disse...

As pessoas não compreendem facilmente aquilo que é ou age de modo diferente daquele ao qual estão familiarizadas. Muitas vezes preferem rejeitar sem pensar, a esforçar-se por compreender. Perdem a oportunidade de crescimento e abertura que resulta, quase sempre, de tentar compreender o que ainda não compreendem. Ao rejeitar o outro diferente, desvalorizam-no, criam uma relação: eu=melhor, outro=pior. Dividem. Quando encontram outros medíocres que pensam da mesma forma, aglutinam-se e institucionalizam a divisão. Reforçam-na uns à dos outros, em processo de ressonância. Até que a divisão se torna inquestionável, e a justificativa para a mesma, não só dispensável como inexigível. E está feita a encrenca a que você se refere.

Dona Sra. Urtigão disse...

Impressionista,
classificamos, hierarquizamos, arquivamos, só não tentamos um olhar verdadeiro, despido de preconceitos.Tem que ser assim? Ou é sòmente um hábito que pode ser transformado? Mas quando a expressiva maioria constitui um habito como se realidade fosse?
Um abraço!

Seguidores