MOSTRANDO

SÓ PARA LEMBRAR, QUE ALGUMAS VEZES ESTOU POSTANDO NOS OUTROS ESPAÇOS DO SÍTIO, DAQUI. OU ESTOU ISOLADA EM ALGUM SÍTIO DE CÁ, FORA DO MUNDO BLOGAL.


Tenho postado AQUI ou AQUI

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

"nada sei"


Estes últimos dias, do Natal até agora tem exigido de mim uma quantidade de decisões, que envolvem outras pessoas, que envolvem minha vida presente e principalmente as vidas futuras, se é que não somos apenas um acaso resultante das combinações aleatórias de moléculas e átomos, decisões estas que se perdem entre tantas possibilidades. Fico pensando que , e absolutamente não concluo nada, se seriam as provas que estou enfrentando testes para provar meu amor pelo próximo ou se para testar meu amor e respeito por mim mesma.. Porque se eu optar, como tenho feito, pelo bem estar da "próxima" estou decretando minha angustia, mal estar e desespero, porque, confesso, não sou capaz de alegrar-me apenas pela alegria do próximo quando minha existencia está mal. E é isso que tenho produzido. Não sei viver sem um mínimo de liberdade sem adoecer. Já vi isto acontecendo antes, algumas vezes. Não separo a essência da existencia. Penso que ao interagir corpo e alma, estamos obrigados a beneficiar tanto um quanto outro, até porque se o corpo vai mal, a mente idem, já diziam os clássicos. A alma também, digo eu. Talvez eu pense desta maneira, porque assim justifico minhas emoções, que não controlo. Meus desejos, e só tenho aqueles que são fundamentais, estão sendo destruidos. Os sonhos?
Não tenho merecimento? Ainda ? Ao chegar pertinho, quase alcançar, sou puxada para tráz pelo peso da ancestral. Dá para pensar.

"Não apresse o rio, ele corre sòzinho"

.

3 comentários:

O Árabe disse...

Sabe, amiga? Acho que essa frase final do post responde às suas perguntas, ainda que indiretamente. Não podemos apressar as águas do tempo, mas elas decerto trarão o melhor para nós. :) Boa semana, fica bem!

Rubinho Osório disse...

O escritor W. Trobish escreveu que "amar é uma condição na qual a felicidade do outro - o ser amado - é essencial para a sua própria."
Dito isto, afirmo que vc é um ser que ama, o que é facilmente provado neste teu blogue.
Portanto, não há como optar: vc seguirá sempre no frágil equilíbrio entre o "eu" - necessário para a vida - e o "próximo" - necessário para o eu.

anacarolinabfs disse...

"Ao chegar pertinho, sou puxada para trás pelo peso da ancestral". No meu olhar, isto é uma última limpeza!!! Difícil, sem dúvida. Mas penso que dá pra acreditar que, depois dessa limpeza, é para poder chegar lá onde você deseja e merece (e não apenas pertinho)!!! O movimento natural da vida: expansão, contração, expansão... "A minha Mãe me levou lá nas alturas, para eu receber meu galardão. Depois me trouxe cá na baixeza, para eu receber o meu perdão". Sebastião Mota.

Bjs e amo muito você!!! Havemos de vencer!

Seguidores