MOSTRANDO

SÓ PARA LEMBRAR, QUE ALGUMAS VEZES ESTOU POSTANDO NOS OUTROS ESPAÇOS DO SÍTIO, DAQUI. OU ESTOU ISOLADA EM ALGUM SÍTIO DE CÁ, FORA DO MUNDO BLOGAL.


Tenho postado AQUI ou AQUI

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

CHEGA de "dar a outra face". Está na hora de chicotear os "mercadores do templo", afastar aqueles que só se aproximam para "se dar bem", que fazem mal uso dos bens e graças que a vida ou os outros lhes proporcionam. Não dá mais para ser caridoso, jogando "pérolas aos porcos". É hora de "amar ao próximo como a si mesmo" Amar a si próprio, respeitar-se, sem desperdiçar recursos emocionais. Toda planta, todo animal necessita de insumos; ao retirarmos todas as folhas para alimentarmos ao outro, a planta fenece. O uso desrespeitoso mata a natureza. A vida se torna sinônimo de dor, de perdas, de não-vida. É hora de voltar o olhar para mim mesma.
Esperei tres dias, contei até dez, dez mil vezes, a indignação só aumenta; ao longo da vida perdoei sete vezes setenta, setenta vezes sete, ao invés de acalmar-me, começo a desejar o castigo para quem me magoa repetidamente, começo a desistir de esperar o bem, começo a desejar o fim, a abdicar de viver como a vida se me apresenta. Coisas boas, e existem, se tornam insignificantes frente a tudo que passei e que vejo que terei que passar. Sem mais forças para lutar, pra corrigir(-me), para buscar o bem, ou para descobrir o caminho do meio. Se deus existe, ele não tem compaixão, eu tive, mais do que ele. Deus existe à semelhança da maldade humana e Jeová nem assume, ao contrário de Krishna, a maldade existente no mundo. Acovarda-se, omite-se, distribuindo regras que não cumpre. Os deuses aterrorizam, exigem louvor e sacrifícios, não poupam nem seus filhos favoritos. O mal sempre triunfa e criamos quimeras para suportar a existência. Esperamos o fim para ter um início. Mas não existe inicio ou fim, tudo permanece sempre, as boas intenções sendo destroçadas e merecendo o inferno ou a punição nas rodas das encarnações. Ou assumir castigar, a vingança, na "medida justa".
Cada beleza esconde a destruição em seu âmago. Cada coisa boa acarreta a contrapartida dolorosa.
Por que devo ainda perdoar, se cada erro que cometi, me é cobrado intensivamente, exaustivamente? Se parece que estou sempre devendo e sendo punida? Porque esperar ser poupada, se nem os bons o são? É lógico que minha revolta será muito castigada, assim agem os cuidadores do mundo. Mas tambem não o sou ao praticar o que me ensinaram ser o bem?
Desisto de ter esperanças. Entrego-me ao mundo, às forças da natureza. Desisto de ir contra a corrente. É óbvio que pode piorar muito. Mas não só piora, sempre, independente do que se faça?

6 comentários:

Le Vautour disse...

Ah, colega... penso quase exatamente como você. Só não compartilho das últimas linhas, onde há uma pontinha de autoflagelação. Deus... inventaram tanto sobre O Cara, e será que ele não está mais para os esboços do Sarah-Mago? Sei lá, viu? Acho que o Homem cria um deus estranho, à sua própria imagem e semelhança, cruel, vingativo, invejoso (ele é uma síntese de todos os pecados, os capitais e os veniais), e nos enfia goela abaixo, n'est-ce pas?
Em frente, que atrás vem gente!
Abraços de duas asas!

São disse...

Sempre achei que a primeira pessoa que devemos respeitar somos nós .

O resto vem por acréscimo.

Um abraço solidário

duarte disse...

ola dona sra urtigão
deus?
eheheh...ainda não me encontrei com ele. tenho andado ocupado com diabruras.
sim, isto segue o seu cruel curso...mas podemos ensinar outros caminhos, a quem está disposto a ouvir.
abraço do vale para a mata
ps: tb me desiludo com muita coisa,
mas é no sorriso das crianças que bebo esperança.

O Árabe disse...

Minha solidariedade, amiga, e apenas a sugestão de serenidade, ainda que tudo pareça conspirar contra ela. Você é, realmente, o mais importante; e precisa estar em paz dentro de si mesma. Todo o resto, acredite, é passageiro. Meu abraço, boa semana.

Rubinho Osório disse...

Cara mia, quando desabas, desabas mesmo, hein, com estilo e força!
Esse deus aí que rechaças, rechaço-o eu também. Meras maquinações humanas, da pior espécie.
Para quem, como eu, chega de imerecidas férias, teu desabafo é um "soco no estômago" - clichê velho mas real.
Espero que hoje, 4 de março, as coisa já estejam, digamos, mais rosáceas pra vc, minha amiga.

O Árabe disse...

Sabe? Eu seria capaz de apostar que já havia comentado esta postagem... e há um bom tempo. Espero, amiga, que o tempo (nosso eterno remédio) haja trazido uma nova perspectiva ao problema. Desculpe-me o atraso na visita e conte sempre com o amigo aqui presente. Boa semana, fica bem!

Seguidores