MOSTRANDO

SÓ PARA LEMBRAR, QUE ALGUMAS VEZES ESTOU POSTANDO NOS OUTROS ESPAÇOS DO SÍTIO, DAQUI. OU ESTOU ISOLADA EM ALGUM SÍTIO DE CÁ, FORA DO MUNDO BLOGAL.


Tenho postado AQUI ou AQUI

sexta-feira, 23 de abril de 2010

NÃO DEU CERTO


Eu sei que fugir dos problemas não é solução. Mas talvez, bem lá no fundo ( e acho que na superfície tambem) eu me enganasse acreditando que uma mudança radical de local auxiliasse a promover mudanças em outras circunstâncias que me afetavam negativamente. Fazem dois meses que iniciei o processo da mudança, com tantos percalços que quase desisti no meio. Voltou forte aquela velha questão de se quando as dificuldades são muitas deve-se desistir ou se seria uma prova para testar a perseverança e se esta ao final traria alguma forma de recompensa.
Na verdade apenas há uma semana que estou na casa nova. As outras transcorreram com pendências relativas à entrega da casa anterior acrescidas aos movimentos habituais. Na casa nova, apenas vinha de passagem para as providências administrativas necessárias, como supermercado, pagamentos, ajustes no comportamento das pessoas que trouxe e estão ainda sob minha responsabilidade, mais ou menos como era na antiga moradia. Aqui, minha mãe que sempre disse detestar o frio, o de Petrópolis e depois o de São Paulo, passou a dizer que sempre detestou o calor. Os mosquitos me obrigam a uma adaptação diferente. Não sei ainda quais as rotinas seguras para proteger a minha família deles. São muito piores do que os de Viçosa. Constantes, dia e noite, dentro e fora da casa. Aderi fortemente a produtos químicos, que sempre repudiei. Estou envenenando meu ar, minha pele. E às filhas e mãe. Comprei cortinado para a noite, mas pôr cortinado para assistir TV? Ou lavar louça?
Vantagens? Sim, algumas. Ainda me encanto com a vastidão do céu, com as cores do poente. Cantos diferentes das aves marinhas, com a possibilidade de ver e ouvir o mar diàriamente. Os percursos para os locais que vou habitualmente, mudaram, são novas e diferentes paisagens, um reencantamento pelas rodovias. Novas cidades que atravesso, novos relêvos, novas maneiras do sol nascente.
Mas os cães não se adaptaram. Os que eram amigos entre si, passaram a brigar furiosamente, o que fez com que os canis construidos se tornassem insuficientes. Além de chorarem todo o tempo em que estão presos, o que não acontecia lá. E os vizinhos, que já da obra reclamavam da possibilidade de terem cães ao lado, agora estão revoltados, e, reconheço, com toda razão. Está insuportável. Nunca, em toda minha vida, tive problemas com vizinhos e agora aqui estou, sentindo um enorme desconforto, pois virei um estôrvo.
Então, eu que passei anos buscando uma solução que melhorasse a qualidade de vida, estou agora no mesmo ponto, buscando desesperadamente uma saída. Só que sem o sonho de mudança de casa, pelo menos por alguns anos. O investimento foi grande. Nem sei ainda como e quando irei pagar aos filhos, que custearam tudo. A perspectiva de trabalho melhor remunerado, ja não me dá esperanças, pois os quatro plantões que fiz durante o Carnaval, até hoje não me foram pagos. Vou trabalhar sem saber se vou receber. Ou quando.
Não vejo solução.


PS: Só para ter ideia de acontecimentos: à véspera de meu aniversário, que pretendia comemorar aqui, com os filhos, a mais velha estava retida na Europa, por conta do vulcão; a companhia de luz corta a minha luz, devido a débitos de 2009, apesar de ao inicio do contrato, em fevereiro, ter sido providenciado a mudança de titularidade. Noite de sexta feira, eu vindo de Minas, ao telefone, recebo a informação que só pagando o débito e aí seria imediatamente religada, com comprovação à equipe de religação. Corro feito louca, excedo limites de velocidade para chegar e pegar o aviso para providenciar o pagamento antes que fechassem os caixas eletronicos. Consigo, por 10 minutos. (ainda não sei se tive multas pelo excesso de velocidade ). Telefono e me dizem que agora precisava passar por fax a conta paga. COMO? as 10 da noite ? Paguei 300 reais por contas que não são minhas para ter luz! Passo o fax no dia 17, cedo após uma noite à luz de velas. Minha mãe não fica no escuro, grita, e passei vigiando velas. Após o fax, telefono, resposta que não fazem religações em urgência fim de semana. COMO? Mas não me disseram que era isso. Chorei muito, desde a véspera e todo o dia do aniversário. Liguei para os filhos para que não viessem, sem luz não tenho água, que só vai para as caixas por bombas. Vieram mesmo assim. Improvisaram coisas. Passaram o dia inteiro telefonando para a companhia de luz, que, penso, não aguentando mais tantas e repetidas ligações, desistiram e fizeram a ligação as 8 da noite. Ainda deu para comemorar. De rosto inchado de tanto chorar. Por que comigo? O que foi que fiz para merecer? E ainda preciso lutar pelo ressarcimento do valor pago, com o que era meu ultimo dinheiro do mes, e que me fez pedir mais empréstimos, alem de tudo que ja estava devendo. De bom? A certeza que meus filhos são pessoas maravilhosas, demais. Mas não é justo que tenham que me proteger de mim mesma, dos azares ( IRHC! detesto usar esta palavra) que me rondam a vida toda. Carma ruim, onde o que pode ser difícil, será mais dificil ainda ! E não posso reclamar, né, porque sempre piora. Tenho que ser grata ao Universo que conspira contra mim, pois os filhos são "do bem"...
Hare Krishna Hare Hare...

9 comentários:

Beatriz disse...

Vc não merece nada disso! Mas a vida tem desses momentos horríveis que parecem intermináveis. Um problema sempre vem seguido de outro até que num dia, inesperadamente, as coisas começam a melhorar. É um ciclo. Nada na vida pode nem ser bom demais nem ruim demais e a naturezxa tenta equilibrar, mas acaba indo para os extremos. Esse ano eu comecei tão bem e feliz que fiquei com medo. Dito e feito, veio a tal maré ruim e depois que passou agora me resta esperar a próxima maré para saber o que é.. Beijoss e melhoras em tudo!!!

oimpressionista disse...

Mudar de casa é traumático e o cansaço que causa é tanto que às vezes não nos deixa comemorar direito o fim da transição.

Em estações de pernilongos, lanço mão d'aquelas raquetes elétricas. Após alguns minutos dou conta da maioria. Mas conforme for, talvez seja o caso de instalar telas permanentes pelo lado de fora de todas as janelas. É o que meus pais fizeram na casa em que eu morei quando criança.

Cães odeiam mudar de ambiente. Sugiro mimá-los um pouco mais do que o normal, por um tempo. Ou não, talvez se acostumem e fiquem malcriados e birrentos... São como crianças, enfim. Se possível, ficar mais com eles por um tempo. Para que eles não se sintam perdidos e abandonados. Eu pensei em sugerir também coleiras anti-latidos, mas elas são caras, e dependendo do número de cães pode ser uma alternativa inviável.

Quanto às contas... Isto é o Brasil. Pagamos sem dever, somos enganados novamente quando tentamos consertar as coisas. Nos meus dias de mudança, precisei comprar móveis e eletrodomésticos, e parte deles claro que veio com defeito. Passei por vários martírios às voltas com lojas e seus SAC(O)S. Convenci-me de que quem é mau, quando morre e vai pro inferno, lá recebe um número de 0800 para o qual, diz o capeta de plantão, pode-se ligar e pedir para ir pro céu. Ele vai pegar um Código de Defesa Infernal e vai lhe assegurar que você tem esse direito. Daí em vez de ser colocado no caldeirão, você é posto numa cadeira ao lado do telefone. Que Dante o quê...

Enfim, que bom vê-la de volta às terras virtuais. Quem sabe assim eu me animo a voltar também...

Grande abraço!

Pimenta disse...

Conta até dois, respira fundo.
Nada dura para sempre, nada, nem bom(o que fica na memória), muito menos ruim.
Se for karma,agradeça. Segundo os budistas,esses problemas te purificam.
Eles também dizem que os que te querem mal estão te ajudando, puxando teu karma para si e te doando virtude.Adoro essa visão sobre isso.É quase uma vingança,rsrsrsr.
Tenha paciência.Chore mesmo, se preciso,mas não desanime.
As plantas vergam com o peso da água após a chuva.Nós também.
bjo
Estou torcendo por você,não importa se desconhecida e distante.

Pimenta disse...

Puxa, desculpa, comentei a segunda parte e esqueci de te contar minha experiência com os mosquitos!
Ai em Sampa tem um distribuidor de citronela, que vende mudas e entrga em casa.Planta elas perto das entradas da casa.Não lembro o end, é só procurar no google.
O óleo da citronela é repelente natural, que tu podes queimar em rechaut,ou direto na bacia da vela.
No mais, a melhor solução é botar telas nas janelas.Eu fiz na época com velcro, barato e prático.
Cola ou grampeia a parte áspera do velcro na moldura da janela,e costura a macia na borda da tela,e gruda na janela.Fácil de tirar, botar, e de lavar
E a andiroba funciona bem nas picadas, aliviando a coceira e evitando marcas(eu tenho uma filha que é alérgica, e foi a unica coisa que solucionou).
bjo

Dona Sra. Urtigão disse...

Olá, Bia!
Saudades!
Pois é, acredito que cada um só tem o que merece, então, de alguma forma, em algum tempo, fiz por merecer, ou então sou tão boa, que o tal Jeová quer me equiparar a Jó ( brincadeirinha). De qualquer forma, tenho que continuar, entre choros, ranger de dentes, risos e alegrias

oimpressionista
meu amigo daqui ,saudades...Espero sim que suas palavras sábias me ajudem, como tem sido, a reencontrar-me ao meu estilo pollyanna. Acho que o problema é que eu queria ter adentrado a mata e não uma cidade a beira-mar. Mas tive que atender a compromissos que assumi... Mosquitos, terei que conviver. pela minha burr...inexperiência, aluguei uma casa rústica, com frestas entre telhado e paredes, ou seja, telas em janelas não fazem diferença, por lá entram até morcegos, que não incomodam tanto. Vou tentar "raquetar" mosquitos, ver quem desiste primeiro...E uma homeopatia desenvolvida por pesquisadores da UFV, que deu certo para meus amigos de lá. Trabalho e mais trabalho. É que eu me iludia achando que ja estava na hora de uma vida fácil...

Pimenta
Bem vinda, amiga nova. Estive um dia desses, ràpidamente em seu blog, acho que não comentei, eu estava sem internet e usando empréstimos de genro enquanto cuidava dos netos para a filha estudar e ...blá blá blá
Parece que a feras daqui estão acima da média, a prefeitura está divulgando mensagens na TV. A citronela que usava, inclusive em solução alcoólica para passar pela casa, a andiroba no corpo, tem sido insuficientes, nem "OFF" protege. Enfim, quem sabe, seguindo os preceitos da homeopatia, eu acabe por tornar-me resistente...

Um grande abraço a todos, agradecida pela atenção e receptividade aos meus desabafos. Pelo menos assim não me sinto tão só, nem fico desesperada. Só quase...

redonda disse...

Espero que as coisas estejam já a melhorar.

Rubinho Osório disse...

Um conselho? Teus momentos bons são raros e não chegam a compensar os ruins, certo? Então agarre-se a eles, na memória, e curta cada momento bom como que sorvendo um néctar dos deuses. Paliativo? Sim! Ilusório? Sim! Mas te ajudará a enfrentar os próximos momentos ruins, tenho certeza.

ubbalda, a garoupa disse...

Queres o dia sem a noite? O mal só existe por que existe o bem. Mas pode ser ao contrario tambem. Não gostas de listas? Pois liste o que tens de bom. Ve se estás disposta a perde-las, as coisas boas, antes de reclamares do que não está à contento. Dai podes ficar contente.

Dona Sra. Urtigão disse...

redonda
estão,sim e depois não estão novamente, é assim que a vida é...

Rubinho
ubbalda
estou pensando a respeito...

Seguidores