MOSTRANDO

SÓ PARA LEMBRAR, QUE ALGUMAS VEZES ESTOU POSTANDO NOS OUTROS ESPAÇOS DO SÍTIO, DAQUI. OU ESTOU ISOLADA EM ALGUM SÍTIO DE CÁ, FORA DO MUNDO BLOGAL.


Tenho postado AQUI ou AQUI

sábado, 28 de janeiro de 2012

Pelo rastro cinza em negro asfalto,
dezoito quase dezenove
das horas do horário planetário
seguem rastejando dois olhos de luz
dois pontos faróis e logo mais dois
olhares do animal animado desalmado
que arrasta pelos caminhos seus
possuidores possuidos pela necessidade
premente criada pela mente
Os cirros acumulam cinzentos reflexos
como cumulus refletindo cinzas
e ninguem vê ou sabe nada.

3 comentários:

myra disse...

é, muitos nao sabem ver ou nao querem...
bjs

Paula Barros disse...

Gostei da elaboração deste poema, com o jogo das palavras.

Rubinho Osório disse...

...e ninguém vê ou sabe nada."
Véro!!!!

Seguidores