MOSTRANDO

SÓ PARA LEMBRAR, QUE ALGUMAS VEZES ESTOU POSTANDO NOS OUTROS ESPAÇOS DO SÍTIO, DAQUI. OU ESTOU ISOLADA EM ALGUM SÍTIO DE CÁ, FORA DO MUNDO BLOGAL.


Tenho postado AQUI ou AQUI

sábado, 8 de setembro de 2012

Continuo

sendo  compulsiva.
 Tive  que reduzir  minhas pedaladas  por avaria do corpo físico  da ciclista e da bike.  O ente  de rodas já está recuperada.  O   de pernas e cabelos brancos, ainda demora. O medo  é o pior inimigo. Fiquei  sem saber se alguns novos sintomas foram  decorrentes das bicicletadas ou do acaso.
 Hoje fui à praia  em pleno fim de semana grande.  Minha praia deserta o ano todo  fica coberta por  toda sorte de tralhas de praia alem de muuuuuita gente  mesmo. De pé não  se conseguia ver nada além dos guarda sóis, por aqui todos brancos, nem ao menos a possibilidade de ondas de cores. Sentada, da para ver nesgas do mar.  As meninas que nem meninas são mais, queriam ir a praia e com o bebê, as praias boas são muito distantes e sem infraestrutura... É, os quiosques e suas traquitanas também facilitam a vida de uma velha e seu neto-bebê.  Ou,  da lição de cada dia,  em busca da perfeição, em  mim, aprendo  que a perfeição das coisas é conter em si a totalidade. O bem e o mal.

O  exercício da paciência.  A horta que faço, longe daqui  30 km, tem  me  ensinado muita  coisa.  O  tempo  de limpar o chão,  que nem posso chamar  de solo, apenas restos degradados  de construções humanas, pedras, areia, pedaços de concreto, algum barro, preparar  a terra, gradar, arrancar torrões de raizes, rizomas de um mato que foi inicialmente aparado, para saber onde pisava, adubar, semear, retirar  pedras e pedaços de cerâmica, numa especie de arqueologia contemporânea. Há um tempo para esperar, não posso atropelar, semear ao mesmo tempo que adubar.  E depois ainda esperar brotar, crescer, transformar a paisagem. Ao ritmo do sol, das águas, da terra, do vento.  Ao som do canto  das aves.
O  que fazer das pedras ?
Já muitas vezes fiz isso, de um terreno degradado, extrair um jardim. Mas dessa vez, o dono da terra não gosta de flores, diz que são inúteis, assim como gramados, que apenas retiram recursos do planeta para nada. Por mais que eu desenvolvesse argumentos em prol da estética,dos prazeres dos sentidos, será mesmo impossível transgredir esses conceitos.  Como sempre introduzi frutas e hortaliças em meus jardins de flores, dessa vez as flores terão participação mínima, mas aqui e ali, entre caminhos para velocípedes e carrinhos, entre canteiros de formatos não convencionais, encontram-se pequenos pátios de  areia e barro para brincadeiras e algumas plantas aromáticas e flores medicinais. Em planos e em realização. De três em três dias, que visita demorada de sogra e mãe diariamente, ninguém mesmo merece. E eu tenho que esperar o dia. Amanhã.

( abóbora  e milho,  dois dias atras, sexto dia das sementes  na terra )

.

3 comentários:

myra disse...

beleza, certa, sabe a perfeiçao nao existe...
voce ja sabe qto eu gosto como escreve!!!!!
beijos

KÁTIA CORRÊA DE CARLI disse...

Também tenho exercitado a paciência em função de plantar (e colher) num sítio! Eu, que sempre me disse Bicho Urbano, enfiada num lugar sem fim, só mata e verde, sem internet... quem diria!!! Mas estou gostando. Aprendendo sempre! bjs e obrigada pela visita

vieira calado disse...

Na mata náo precisa nada disso.
Basta olhar e escutar a Natureza!

Bjsss

Seguidores