MOSTRANDO

SÓ PARA LEMBRAR, QUE ALGUMAS VEZES ESTOU POSTANDO NOS OUTROS ESPAÇOS DO SÍTIO, DAQUI. OU ESTOU ISOLADA EM ALGUM SÍTIO DE CÁ, FORA DO MUNDO BLOGAL.


Tenho postado AQUI ou AQUI

quarta-feira, 22 de abril de 2009

Violencia - parte 2

OS DOIS LADOS, ou os multiplos lados.
Como se a cada ponto da superficie de uma esfera que delimita o tema fosse dado a perspectiva de face para análise - Missão Impossível - Mas, com a colaboração dos amigos, vamos abordando alguns.
O que surge primeiro, o Humano ou a Violência ?
Como teria sobrevivido a espécie sem a agressividade, competitividade e atos violentos?
Como estabelecer o que é necessário e o que é excesso?
Vítima, fraco e perdedor? Ou mártir a caminho do Supremo Bem ?
E outros
( AH! Estou imaginando como alguns de voces abordariam alguns desses tópicos e criariam outros...Prazer antecipado!)

7 comentários:

RICARDO BLAUTH disse...

ALO AMIGA SRA DNA URTIGÃO

Quando não sei por onde começar
qualquer lado é bom.
O IMPORTANTE é começar, nem que seja "pegando no tranco".

Depois??......
O andar da carruagem ajeita as "melancias".......

JÁ ESTÁS FAZENDO ISTO....
E MUITO BEM.
VÁ EM FRENTE.
ATRÁS VEM AMIGOS
QUE TE QUEREM BEM........!

abrs

Rubinho Osório disse...

Taí um tema importante e difícil.
No filme "Gandhi", há um discurso dele ainda na Africa do Sul, no qual ele diz que "por esta causa estou disposto a morrer, mas não a matar". Depois, na Índia, ele usa a violência contra si mesmo (o jejum que poderia leva-lo à morte) para atingir seus objetivos pacíficos.
...

CHRISTINA MONTENEGRO disse...

Vejo-nos como meros transeuntes, numa estrada eternamente ladeada de dualidades, onde o que providencia (ou não!) a humanização são a reflexão e a responsabilidade.
Somos muito "mixuruquinhas".
O que dá a possibilidade de "desmixurucar" um pouquinho é o (com licença da palavra) tesão de refletir, e a determinação de correr o risco da responsabilização...
+BJS!

disse...

Somos vitimas, fracos, perdedores, martires e culpados.
Somos do bem qdo nos convem e do mal para elevar algum tipo de movimento que não dá muito certo para martires...
A situação é complicada. O caminho nem sempre claro e isso deixa tudo de perna pro ar qdo não nos centramos e podemos observar que nem sempre fazer a coisa certa enquanto muitos vem em cima erroneamento nos torna perdedores e fracos.
(Estranho, tenho a impressão que não me fiz entender...rsrs)

beijos

Aninha Pontes disse...

Cheguei aqui pelo Rubinho, porque falei no meu post de ontem também sobre a violência, específica sobre a mulher, mas violência.
É difícil flar, porque o assunto é delicado, mas na minha opinião, a linha entre o necessário e o excesso, fica no sentimento. Aquilo que machuca, creio ser excesso.
Já o amor, que temos, sentimos e dedicamos aos nossos, esse é e sempre será necessário.
É o que inibe a violência, mas é só minha opinião. Queria saber muito mais.
Gostei do seu cantinho.
Um abraço.

Dona Sra. Urtigão disse...

Agradecida, BLAUTH.
RUBINHO, isto é uma das coisas que me angustiam. Ora, a violencia contra si proprio, o dar a outra face, é violencia contra o ser a imagem e semelhança, certo , e permitir ou aceitar isso não é tão violento quanto se fosse contra um outro ? Afinal, se devemos amar ao próximo como a nós mesmos, não devemos nos dar o tratamento que desejamos ao próximo?
É esta questão perene das dualidades, como apontaram a CHISTINA e a RÊ, que torna a vida tão fascinante, e seus verdadeiros mistérios insondáveis.
ANINHA, bem vinda, vamos "trocar figurinhas".

ubbalda disse...

O que surge primeiro ?
Depende do que se entende por violencia. O atendimento as necessidades de subsistencia? Um animal comer outro ? Então o Humano está apenas na cadeia alimentar. Mas não, ele, fraco, consegue situar-se no topo da cadeia. Por violencia aplicada. Se sobreviveria como espécie sem ser violento? Mas precisava voltar-se contra seus iguais?
A vítima é fraca, sim, perdedora jamais. Não pode ser um jogo. Martir? Os que se submetem a uma força avassaladora da violencia do irmão? Se pudessem ocultar-se não seria mais digno, pois aceitando estão sendo cumplices da violencia. Como Sócrates ao aceitar o veneno tendo oportunidade de fugir, não foi o mesmo que suicidio? Mas a honra que voce referiu em outro texto, não será então a maior das violencias?

Seguidores