MOSTRANDO

SÓ PARA LEMBRAR, QUE ALGUMAS VEZES ESTOU POSTANDO NOS OUTROS ESPAÇOS DO SÍTIO, DAQUI. OU ESTOU ISOLADA EM ALGUM SÍTIO DE CÁ, FORA DO MUNDO BLOGAL.


Tenho postado AQUI ou AQUI

terça-feira, 30 de dezembro de 2008

.

TEM SOL !
Atras das nuvens, eu sei que tem !

.
E sei que algum dia ele vai se mostrar de novo

.

6 comentários:

Renato Maluf disse...

Colega, colega...
Que alegria a minha, ao parar um pouco o modorrento trabalho de fim de ano, e ao abrir o meu blogue, encontrar lá os seus sempre lúcidos e lúdicos comentários. Fez renascer em mim o prazer do debate honesto e pesquisado, das inquirições verdadeiras. Uma tertúlia filosófica virtual, isso é o que V. me proporciona.
Não vou dizer que respondi a seus comentários, mas argumentei. Não tenho respostas. Quem somos nós, para ter senão dúvidas? Como diz o meu estimado Wittgenstein, que escreveu mais de 40.000 páginas, das quais devo ter lido perto de 6.000, e me considero reles e ruim catecúmeno, toda nova certeza vem crivada de dúvidas, que levarão a outras certezas, essas também crivadas de outras dúvidas. É o quê da vida. No tractatus ele diz que sobre o que não se pode falar, o melhor que temos a fazer é calar. E critica os filósofos do sistema. Os filósofos de encomenda, a que se refere o ilustre Prof. G. Corbisier.
Adoro suas indagações, pois elas mostram o que Wittgenstein nos diz: quem pergunta já tem consigo algumas respostas, ou nem teria condições de perguntar. E eu respondo com perguntas, e que nossos colóquios possam prosseguir, que meu deleite é gigantesco.
Há sol? Ótimo! Que não seja obnubilado jamais! Ou então que, se venham as nuvens, o vento da superação possa dissipá-las.
Abraços fortes, daqui

Dona Sra. Urtigão disse...

Não conheço bem o Witt, apenas pouquissimos textos e resumos da obra, mas me atrevo a discordar, penso que se não sabemos falar de algo, devemos tentar aprender algo, começar a falar, pois senão melhor seria ficarmos mudos de vez, ja que de verdade não SABEMOS falar de nada, apenas opinamos.

Renato Maluf disse...

Colega Urtigão,
em nosso caso, concordo. É que ele criticava os filósofos vinculados às Igrejas, ou às "políticas", que falavam mais religiosa/politicamente que filosoficamente. Assim, os apodos são direcionados.
Estou com você, para não abrir!
Abraços, daqui

Dona Sra. Urtigão disse...

Renato,
Se bem entendi, ele propunha uma "mordaça" aos ...ou a alguns pensadores. Se isso, não seria uma defesa da censura,à época ? Por que não aceitar o livre pensar e debater só com quem interessar...talvez proposta de antiliberdade para defender uma liberdade inexistente ?

duarte disse...

o sol aparece, sempre que quisermos,basta para isso ir respirando até ao próximo raio...

Dona Sra. Urtigão disse...

Duarte,
não que eu não goste da alternancia chuva e sol, mas a questão é essa, a alternancia

Seguidores